segunda-feira, 28 de julho de 2014

OSCAR ALTERNATIVO: Melhor Atriz Principal - 1955







Jean Simmons
A Cruz do Meu Destino
(Footsteps in the Fog)
★ ★  ★ ★

Visão Geral: Quanto mais conheço os trabalhos de Jean Simmons, mais me pergunto por que ela não se tornou uma queridinha da Academia nos anos 50. A atriz, que tem apenas duas indicações, trabalhou em filmes importantes, em que seus parceiros de cena eram indicados ao óscar e ela não. O caso mais assustador aconteceu em 1960, quando Elizabeth Taylor ganhou um óscar por Disque Butterfield 8 e Jean Simmons nem sequer foi indicada por Entre Deus e o Pecado - filme que deu óscar a Burt Lancaster. Em 1955, Simmons ganhou o Globo de Ouro de melhor atriz em musical por Eles e Elas, em que ela entregou uma boa performance, apesar das limitações da personagem. Somado a esse fato, Simmons estava no drama sombrio A Cruz do meu Destino, numa performance bastante consistente para um atriz tão jovem, mas nem isso fez com que ela recebesse sua primeira indicação ao óscar principal. No filme, Simmons vive uma empregada apaixonada por seu patrão, capaz de tudo para ficar com ele. Até hoje, nunca vi uma performance de Simmons que fosse abaixo da média, ela é uma das atrizes que mais sabem trabalhar com sutileza e inteligência.

domingo, 27 de julho de 2014


Oscar Alternativo


Depois de toda essa jornada classificando as cinco melhores atrizes de cada ano escolhidas pela Academia, eu decidi escolher as minhas cinco favoritas de cada ano. Na verdade, eu farei uma postagem para cada ano avaliando cinco performances muito elogiadas pela internet a fora e no final farei um ranking das cinco melhores do ano.

E o primeiro ano será 1955, um ano em que a Academia acertou bastante, mas que ainda assim, há outras grandes performances. E as não indicadas foram:

Martine Carol, Lola Montes
Vera Clouzot, Diabolique
Simone Signoret, Diabolique
Jean Simmons, Footsteps in the Fog
Jane Wyman, All That Heaven Allows


OSCAR: Melhor Atriz Principal - 1929



The Barker é um filme muito difícil de encontrar, por isso só classifiquei as outras cinco indicadas. Quando eu achar o filme de Compson, eu refaço o post.



Ruth Chatterton
Madame X
(Madame X)
★ ★ ★ ★

Visão Geral: Ruth Chartetton é, sem dúvida alguma, a pior atriz a já ter sido indicada ao óscar, e o pior é que não foi uma única vez. E, apesar de sua performance em Madame X não ser tão ruim quanto em Sarah and Son, Chatertton me provou mais uma vez que não serve para o cinema falado. Enquanto está calada, a atriz consegue transmitir muito bem os sentimentos da personagem, mas que ao abrir a boca se desmancha facilmente. Quando ela chora então, dá vontade de parar o filme e nunca mais chegar perto. Para piorar, sua personagem se torna alcoólatra, e apesar de não estar tão horrível como de costume, suas cenas como bêbada são completamente irritantes. Madame X é um filme que já foi filmado diversas vezes, mas para John Douglas Eames, autor de The MGM Story, Chatertton foi a que melhor defendeu o papel. Eu assisti apenas a versão de 1966 com a Lana Turner e posso dizer que ela se saiu 10 vezes melhor do que Chatertton...

sexta-feira, 25 de julho de 2014

OSCAR: Melhor Atriz Principal - 1935






Claudette Colbert
Mundos Íntimos
(Private Worlds)
★ ★ ★ ★ ★

Visão Geral: Apesar de Mundos Íntimos ser um filme muito melhor do que eu pressupunha, Claudette Colbert não entrega nada de especial em tela. Se tratando de Screwball Comedies, Colbert talvez seja a minha favorita, mas nos dramas ou romances açucarados, a atriz nunca me surpreende. Sua doutora é simpática, amistosa e decidida, mas isso nunca se torna algo profundo, pelo contrário, num filme que trata assuntos delicados para época, era necessária uma atuação mais envolvida e cheia de nuances.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

OSCAR: Melhor Atriz Principal - 1932






Lynn Fontanne
Só Ela Sabe
(The Guardsman)
★ ★ ★  ★

Visão Geral: Só ela Sabe conta a história de um casal de atores que vivem uma crise no casamento. O marido então, desconfiado de que a esposa estava descontente e a procura de outro homem, começa a se passar por um guarda russo para ver se ela se interessaria por ele. Para interpretar o casal, Alfred Lunt e Lynn Fontanne, marido e mulher na vida real, atores conhecidos pelo teatro e que tiveram sua única oportunidade no cinema falado em Só Ela Sabe. O casal tem química, obviamente, mas a caricatura que Lunt faz é bastante irritante, já Lynn tem uma participação mais natural, mais descontraída. Sua personagem é bastante debochada e divertida, e a única responsável por fazer o filme soar cômico como quer.

quinta-feira, 10 de julho de 2014

OSCAR: Melhor Atriz Principal - 1930






Ruth Chatterton
Sarah e Seu Filho
(Sarah and Son)
★ ★ ★ ★

Visão Geral: Eu nunca pensei que entre todas as indicadas ao óscar de melhor atriz haveria uma performance tão ruim quanto a de Ruth Chatterton em Sarah e Seu Filho. Não consigo encontrar nada digno de se elogiar. O sotaque é horrível, a voz é horrível, as carretas são horríveis... Em um melodrama, com tanta coisa horrível, ficou impossível da atriz estabelecer qualquer momento realmente emocionante. A atriz não chora, não estabelece química com nenhum ator, não emociona, estraga o filme, irrita... Enfim, uma performance para nunca rever.

terça-feira, 8 de julho de 2014

OSCAR: Melhor Atriz Principal - 1936






Norma Shearer
Romeu e Julieta
(Romeo & Juliet)
★ ★ ★ ★

Visão Geral: Quando você pensa na história de amor entre Romeu e Julieta, você imagina Norma Shearer e Leslie Howard interpretando o casal? Eu não. Apesar de eles já terem funcionado como casal em outros filmes, em Romeu e Julieta a química é quase nula. Parece que temos dois filmes com cada um de um lado dizendo amar alguém que nunca aparece no filme, de tão inacreditável que é. Então toda a dramaticidade do filme parece forçada e toda a tragédia consequente parece pura besteira. Norma Shearer provou em Maria Antonietta que conseguia carregar um filme dramático nas costas, mas em Romeu e Julieta apenas vi uma atriz lendo suas falas da maneira mais forçada possível para fazer aquilo soar verdadeiro, mas no final das contas nada é. É verdade que o texto de Shakespeare não é fácil para ninguém e Shearer até poderia ser o tipo de atriz que manda bem nesse tipo de performance mais teatral e melodramática, mas neste filme nada soa verdadeiro para mim.

sexta-feira, 4 de julho de 2014

OSCAR: Melhor Atriz Principal - 1973






Marsha Mason
Licença de Amar até a Meia-Noite
(Cinderella Liberty)
★ ★  ★ ★

Visão Geral: É verdade que as indicações de Marsha Mason são todas muito semelhantes uma das outras, não por culpa da atriz, mas pelos tipos de papéis a qual ela ficou condenada. Mas, tirando o fraquíssimo Em Busca da Felicidade (1973), todos seus filmes valem a pena, inclusive o descontraído Licença de Amar até a Meia-Noite. Todos os personagens do filme são muito reais, pessoas solitárias e suburbanas condenadas à solidão. E foi graças a esse filme que a América descobriu Mason e sua habilidade pra papéis tragicômicos, então o que podemos esperar é Mason fazendo o que sabe melhor, com ótima química com James Caan, o que lhe rendeu outras parceiras com o ator.

quinta-feira, 3 de julho de 2014

OSCAR: Melhor Atriz Principal - 1987



E as indicadas foram...
Anna é um filme muito difícil de encontrar, por isso só classifiquei as outras quatro indicadas. Quando eu achar o filme de Kirkland, eu refaço o post.

Assista ao Vídeo com Notas
(Password: bpbaa)

Visão Geral: 

A General View: Coming Soon! 




Ranking dos filmes:
Ironweed ★★½
Fatal Attraction ★★½
Broadcast News ½
Moonstruck ½